3 de jun de 2008

Do casulo ao jardim

Existem situações inteiras, ou pequenos momentos que se congelam na nossa mente.
É como se o tempo parasse. Nos deixam em suspense.
O problema, aliás, o problemão é que esse momento fica cristalizado só na nossa mente. Pro resto do mundo - inclusive para "aquela pessoa", o tempo continua correndo, e acelerado...
Ficamos alí, enraizados num fato que voou.
Contraditório? Muito!
Já disse uma vez aqui e repito:
Queria ter asas, e não raízes
Queria mais!
Queria ter asas de borboleta.
De casulo rompido, farfalar no jardim perfumado de uma alma fresca.
-Fabiane Ponte-

16 comentários:

Clarissa Barth disse...

Ah, minha amiga, como isto é verdadeiro... somos prisioneiras destas raízes!!! Como é difícil deixar prá trás os momentos que já passaram - pelo menos, temos consciência de que precisamos aprender, já é alguma coisa. Gostei de vir aqui hoje! Um beijo!

Alexandre Gil disse...

talvez possamos arquitetar acontecimentos de forma previa, atraves de alguns quesitos de seguranca...

veja bem, talvez.

Bruno disse...

Faz parte do criar asas descristalizar esses momentos e transformá-los em ar, para ajudar no vôo...

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Isso é muito bonito. Já que gostou do meu blog, volte. Eu voltei ao seu.
Vá ao meu blog, há novidades.
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um beijo,
Renata

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

SE vc está mesmo numa aituação como a da Guinevere nos braços do Lancelot, resolve logo, menina. Porque é uma bola de neve. Falo isso por experiência própria.
Um beijo,
Renata

Clarissa Barth disse...

Linda mulher de lua, faça como eu: não se prive de comer delícias, depois malhe como doida! Eu sempre penso: não consigo viver a vida inteira em dieta, mas consigo malhar a vida inteira... te entendo porque também ADORO massa com molhos, ah, os prazeres da vida são muitos. Beijos, obrigada por passar por lá!

Filósofo disse...

existem algumas questões que no aproximam tanto que cheguei a questionar: _"Será que a conheço de algum lugar?"
' entender o outro que há dentro, asas, e a explicação de um amor que já foi'...
Por acaso vc chegou a ler os meus posts anteriores?
Aqui parece que estou no meu próprio blog, chega a me confundir.
É bom saber que não estou sozinho em meus pensamentos.
Um abraço, e apareça em 'casa'.

Janaina Staciarini disse...

Pois eu vou te dizer... eu tive asas. E estou louca para ter raízes.
Cada um com sua hora, né?

Filósofo disse...

Olá, eu fiz uma nova postagem, quando tiver tempo,apareça...
Um abraço.

Desnuda disse...

Querida amiga, como sempre encontro aqui palavras para uma reflexão. Lindo texto! E que seja as asas brotadas da sua mente capaz e inteligente, para dar forma aos seus anseios.

Ótimo fim de semana. Bj terno.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Já saiu dos braços do Lancelot? Logo agora que o dia dos namorados está perto. Mas com certeza há um outro alguém. Desculpe-me, mas tive de fazer um novo post hj, tão perto do anterior, porque essas resenhas serão publicadas pela USP dentro em breve, então tenho que correr. Peço a sua compreensão e que vc ponha um comentário, caso contrário não haverá publicação.
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um beijo,
RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO

ROSA E OLIVIER disse...

retribuindo o prazer da sua visita...

Tendo adoecido em viagem
em sonhos vagueio agora
na planicie deserta....

http://elanavev.blogspot.com/

J. Araujo disse...

Dei uma passada por aqui.
Lindo o teu blog, parabéns! Você é, com certeza, uma poetisa.

SAM disse...

Grande beijo minha querida!

Oliver Pickwick disse...

Só congelo bons momentos. Aprendi a descartar dos maus em menos de trinta minutos, utilizando-se da metodologia "sou mais eu" ;) Isto é, se "aquela" pessoa se foi, saiu perdendo.
Um beijo!

Saldanha disse...

� verdade, especialmente quanto as raizes.
Mas tb tem o ditado popular: "Cortar o mal pela raiz".
As vezes podamos os galhos e na verdade estamos fortalecendo a raiz.
Abra�o,