15 de out de 2007

Maremoto

És marinheiro em busca de porto seguro
Prescrutas o horizonte
À procura de terra firme
Desististe de tentar navegar em meu mar revolto
E manejas teu leme em busca de porto tranquilo

Almejas agora
Paz e alento
Calmaria e repouso

Se queres te salvar
segue agora as gaivotas
e pousa na praia
pois a bonança custa a chegar

Meu mar é bravio
Ar e água
vento e sal

Se te rendes
E te afogas em minhas profundezas
Encontrarás
no fundo de mim
no fundo do mar
Todo o silêncio
E a paz mórbida que procuras

Conchas que se abrem em pérolas

Juro
que te guardo
junto aos meus tesouros esquecidos


-Fabiane Ponte-

11 comentários:

Guilherme Franco disse...

;)

SAM disse...

Bonito, AnaLua....Quando o mar está bravio exige respeito , experiência do marinheiro e força´para manejar o leme.

Grande beijo, querida.

SAM disse...

São sim, AnaLua! E Carol cuida com o mesmo carinho da mais nova, Mariana. Tenho outra, minha unica sobrinha e afilhada que meu deu dois netinhos...com ela despertei meu lado materno, é como minha primeira filhinha rsrs..aff coruja, não? Nós mulheres qdo falamos de filhos..não paramos mais! hahahahahaha

Bjinhos

Giovana disse...

Amei, amore!
Adoro textos intensos!!!
Bjo!!!

Lívia Russo disse...

Que ele não desista ...que ele reme e que seja seu tesouro!!

eu tbm quero tesouros secretos!!

:*
:*
:*

beijoss amore!

lena casas novas disse...

Deliciosa esse poema!

Lena Casas Novas disse...

claro que sim, bjs! eu, idem!

SAM disse...

Borboletando... deixando um beijo pra você, querida!

Thaís Werneck disse...

Oi AnaLua, vim navegar no seu novo cantinho e adorei!
Bj. :)

Thaís Werneck disse...

Ah, esqueci de dizer
que primaveras não são tão mornas assim... mas vou tentar aquietar mente e coração...

Pês na Vida disse...

Uou...que Amor!!!