13 de jan de 2009

Invisível



Para que me vejas

Realço cabelos e unhas em vermelho

Orno-me com brincos de cigana

Visto-me de cores exuberantes

E comporto-me como aqueles que sabem, foram e viram


Ainda assim, tu não me vês

Nunca fui assunto teu

Talvez um mau assunto de outros, talvez...


A dor de ser invisível

Faz desde sempre companhia à dor de ser sozinha.


Por vezes não basta ser absoluta, brilhando no céu, ainda que cheia


Pois sempre chega o dia em que a Lua é Nova, e só lhe resta sonhar com Eclipses.


-Fabiane Ponte-