6 de fev de 2008

ÓRFÃ


No meu coração é outono
E me pinto num quadro
usando somente tintas cinzas.

Nele, me encontro de braços abertos
e com o coração fechado.
Estou na ponta dos pés
admirando o precipício.

Em solidão
Em solitude.

Não trago memórias
Não levo esperanças.
Estou totalmente preenchida por um vazio profundo.
A dor está na superfície, na pele, quase chegando na carne.
Minhas grossas lágrimas lutam pra se libertarem de mim.

O único elemento que interage comigo é o AR.
que me sopra aos ouvidos as possibilidades
que me esperam lá no precipício escuro.

No meu coração é outono
E Perséfone volto aos braços de Hades.

Rainha do Mundo Avernal.

-Fabiane Ponte-

Conheça o outro lado da história...